In Eduarda Graciano livros resenha

O Senhor das Moscas, William Golding.


Um grupo de crianças e adolescentes, após um acidente, vai parar em uma ilha deserta. Os jovens, aos poucos, vão se reunindo num grande grupo. Em assembléia, designam um líder. Longe dos códigos que regulam a sociedade dos adultos, esses jovens terão de inventar uma nova civilização alicerçada exclusivamente nos recursos naturais da ilha e em suas próprias fantasias”. O Senhor das Moscas – 220 Páginas – Biblioteca Folha – William Golding – Ano 2003 (Originalmente em 1954).

                               


  Um grupo de garotos está perdido numa ilha, aparentemente, deserta. Os mais velhos não têm catorze anos. Eles precisam se unir para sobreviver sem um adulto, precisam crer e fazer com que os pequenos creiam que logo eles serão resgatados. Eles precisam se organizar para as tarefas e firmar as regras. Mas que regras? Bom, há uma concha...



 Dentre esses meninos que vão parar na ilha após um acidente de avião - pois são só meninos (por isso essa bagunça, claro, né gente?) - tenho que destacar os três personagens centrais: Ralph, o primeiro com quem temos contato: ele se torna o líder do "bando" e sua grande preocupação é manter uma fogueira acesa para que eles sejam resgatados; Porquinho, o garoto gordinho-asmático-de óculos (alguém vai sofrer bullying), que é bastante racional e acredita que somente com planejamento e organização é que eles conseguirão sobreviver; e Jack Merridew, um merdinha que parece gostar da ideia da independência em uma ilha deserta.

 A história se constrói no dia-a-dia dos garotos na ilha, ansiando pela salvação, tentando cuidar uns dos outros e, inevitavelmente, brincando, sendo crianças com uma liberdade sem igual.

  O tempo todo sentimos um tipo de tensão crescente entre Ralph e Jack. Este não concorda com os métodos do primeiro e acha que o melhor líder para o grupo seria ele mesmo. Afinal, Jack é ousado, não fica matutando como Ralph e muito menos dá ouvidos ao "inútil" Porquinho.

  O calor, a fome e a pressão para fazer o que se é mandado acaba deixando esses meninos fora de controle. É claro que o instinto ia falar mais alto.

 Fiquei me perguntando como eu me identificaria com uma história protagonizadas por crianças e adolescentes... E só meninos ainda por cima!



 Mais sem rumo do que os garotos, era como eu estava no final de O Senhor das Moscas!


  Encaramos a natureza humana em seu aspecto mais primitivo de forma brutal. E através de crianças, o que fez meu coração doer mais. (Juro que torci várias vezes pro Peter Pan aparecer.)


  Essa leitura nos faz refletir sobre nossos limites, sobre os conceitos de moral, bondade e maldade. O que é certo? O que é errado? 

  O medo é o grande Senhor desses garotos em vários momentos e chegamos a senti-lo também. Sem brincadeiras: cheguei a sentir coceira, calor, falta de ar - tudo junto - lendo esse livro. Por isso mesmo eu recomendo fortemente! Preparem o fôlego. E a frustração.

  Só não me perguntem quantos garotos eram. Quem é que contou?

Posts relacionados

6 comentários:

  1. Oi, Eduarda!
    Eu já vi muitos comentários bons sobre esse livro. Ele está na lista a ser conferido.
    Eu vi esses dias no twitter que estavam querendo fazer um remake da adaptação, mas com meninas.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do sorteio de aniversário do Balaio de Babados e O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal! Eu nunca vi a adaptação, mas não consigo nem imaginar essa história acontecendo com meninas! Seria interessante ver no que ia dar... mas fico pensando que tomaria outros rumos, talvez...

      rs Beijos!

      Excluir
  2. Olá Eduarda.
    Eu não conhecia o livro, mas parece ser uma história densa e forte. Fiquei curiosa pelo desfecho, mas ao mesmo tempo com receio de vivenciar a crueldade refletida e praticada pro crianças.
    Bjus
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, o fato de os personagens serem todos crianças pesa muito. É preciso ter estômago pra essa história!
      Mas vale a pena!

      Bjss

      Excluir
  3. Oi Eduarda! Já havia ouvido superficialmente sobre a obra, mas nunca tinha me despertado o interesse. Até agora. Parece ser uma trama envolvente, pra ter de despertado tantas coisas, espero um dia ter oportunidade de lê-lo.
    Abraços

    www.lendoeapreciando.com

    ResponderExcluir

Obrigado pela visita! =] Volte sempre, com certeza teremos novidades quentinhas pra você!