In Eduarda Graciano livros resenha

Anne of the Island, L. M. Montgomery.


  "New adventures lie ahead as Anne Shirley packs her bags, waves good-bye to childhood, and heads for Redmond College. With old friend Prissy Grant waiting in the bustling city of Kingsport and frivolous new pal Philippa Gordon at her side, Anne tucks her memories of rural Avonlea away and discovers life on her own terms, filled with surprises...including a marriage proposal from the worst fellow imaginable, the sale of her very first story, and a tragedy that teaches her a painful lesson. But tears turn to laughter when Anne and her friends move into an old cottage and an ornery black cat steals her heart. Little does Anne know that handsome Gilbert Blythe wants to win her heart, too. Suddenly Anne must decide if she's ready for love..." Anne of the Island – 272 Páginas – Bantam Books – L. M. Montgomery – Ano 1992 (Originalmente em 1915).

                     
                                               
     
                                                                 


  Atenção! Esse é o terceiro volume da série de livros "Anne de Green Gables" e essa resenha talvez contenha spoilers dos volumes anteriores (confira a resenha do último clicando aqui).

  Nossa heroína deixa oficialmente a infância para trás. No fundo, é claro, Anne sempre será a mesma. Mas agora suas responsabilidades cresceram, seu círculo de amigos cresceu e seus horizontes parecem fazer o mesmo.

  Anne deixa seu posto de professora na escola para finalmente cursar faculdade na cidade. Não só ela, como seus amigos de escola Gilbert Blythe, Charlie Sloane e Priscilla Grant. 

  Anne of the Island (Anne da Ilha, na tradução literal) segue os quatro anos em que Anne passa estudando em Redmond. Lá ela e "Prissy" conhecem Stella Maynard e Philippa Gordon, a "Phil", que eu achei bem doidinha. Cheguei à compará-la, na minha cabeça, com a Bridget Jones (do começo do séc. XX, claro) por conta da loucura hahaha. As quatro dividirão a mesma casa e vários momentos engraçados, como não poderia deixar de ser.

  " - We thought you were too shy, - said Anne.
   - No, no, dear. Shyness isn't among the many failings — or virtues — of Philippa Gordon — Phil for short. Do call me Phil right off. Now, what are your handles?"*
  
  Além disso, o amor está no ar não só para Diana Barry, que está noiva de Fred Wright. Anne parece ter encontrado seu príncipe encantado. E ele está entre os garotos que propõem casamento para ela nesse livro. Juro que eu não me lembro quantos pedidos Anne recebe. Uns três ou quatro, creio eu. Mas será que ela aceitará a proposta que sempre esperou? E qual das propostas é essa?




  Que. Livro. Fofo. 

  Os outros dois também são, é. Mas ainda que eu não tenha saído flutuando e suspirando pelos cantos como gostaria, esse traz o elemento romance mais forte. Ver a Anne com ciúmes e, melhor ainda, ver seu pretendente (aquele pelo qual torcemos) com ciúmes é fofo. A garota sofre, principalmente por conta de demorar tanto pra perceber seus sentimentos. No geral acho que podia ser mais doloroso, eu senti falta disso. Gosto de uma história doída. 

  No aspecto romance talvez falte um pouquinho de sofrimento mas no livro não falta. Anne perde duas amigas de infância: uma para o casamento (hahaha brincadeira. Essa ela não perde) e uma para a morte. E esse trecho é de partir o coração.

  Também há muitos momentos engraçados e o mais marcante se dá quando a ruivinha finalmente tem sua primeira estória publicada. Algumas alterações são feitas quando sua melhor amiga manda a estória para uma revista e Anne - dramática que só - quer morrer! Pensa até em desistir da carreira. Eu adoro quando ela é dramática à toa. hahahaha 





  Se tem uma coisa que eu acho perfeita nesses livros é que os títulos até agora trouxeram essa expansão do ambiente e dos horizontes da Anne. Ela chegou "Anne de Green Gables", virou "Anne de Avonlea" e agora é "Anne da Ilha". Isso dá uma impressão tão gostosa de grandeza, não é? Logo ela pode ser "Anne do Canadá", "Anne do Universo"... rs

  Ah! Aos curiosos: Marilla, a Sra. Lynde e os gêmeos (Davy está amadurecendo, até que enfim) vão muito bem, obrigada.

  O final desse livro é um amorzinho (já lhes adianto) e estou bem curiosa com o que vem por aí. Nem imagino que aventuras aguardam a nossa protagonista em "Anne of Windy Poplars" (também publicado como "Anne of Windy Willows"). 
  


  " [...] They walked home together in the dusk, crowned king and queen in the bridal realm of love [...]"**



  "Anne of the Island" ainda não chegou ao Brasil, mas isso não deve demorar. A Editora Pedrazul lançará em português todos os livros da série! Eba!!!

-

 * " - Pensamos que você fosse muito tímida, - disse Anne.
   - Não, não, querida. A timidez não está entre os vários defeitos - ou qualidades - de Philippa Gordon - Phil pra facilitar. Já podem me chamar de Phil. Agora, quais os nomes de vocês?"
 ** " [...] Eles caminharam juntos para casa no crepúsculo, coroados rei e rainha do reino nupcial do amor [...] "

Posts relacionados

6 comentários:

  1. Such a nice blog. Maybe we can follow each other?
    Just let me know with a comment :)
    Berna from paapatya'blog

    ResponderExcluir
  2. Eu adoro o primeiro livro dessa série,os outros eu ainda não tive oportunidade de ler,apesar de querer muito,eu adoro a Anne é uma da minhas personagens favoritas por ser assim tão fora da casinha rsrs.

    Https://euhumanaefinita.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Monique, até hoje nenhum superou o primeiro pra mim... mas esse chega perto! rsrs
      Beijo!!

      Excluir
  3. Cada vez mais sinto vontade de ler essa série fofa! Adoro livros fofos! Adorei a resenha, foi uma excelente apresentação da obra!

    Jaci
    Pandora e sua Caixa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então aproveita, pq a Editora Pedrazul vai lançar todos em português. Esse deve estar pra ser lançado! hehe

      Beijão!

      Excluir

Obrigado pela visita! =] Volte sempre, com certeza teremos novidades quentinhas pra você!