In livros resenha

O Histórico Infame de Frankie Landau-Banks, E. Lockhart.


Aos catorze anos, Frankie Landau-Banks era uma garota comum, um pouco nerd, que frequentava a Alabaster, uma escola tradicional e altamente competitiva. Mas tudo muda durante as férias. Na volta às aulas para o segundo ano, o corpo de Frankie havia se desenvolvido, e ela havia adquirido muito mais atitude. Logo ela chama a atenção de Matthew Livingston, o cara mais popular do colégio, que se torna seu novo namorado e a apresenta ao seu círculo de amigos do último ano. Então Frankie descobre que Matthew faz parte de uma lendária sociedade secreta - a Leal Ordem dos Bassês -, que organiza traquinagens pela escola e não permite que garotas se juntem ao grupo. Mas Frankie não aceitará um "não" como resposta. Esperta, inteligente e calculista, ela dará um jeito de manipular a Leal Ordem e levantará questionamentos sobre gênero e poder, indivíduos e instituições. E ainda tentará descobrir se é possível se apaixonar sem perder a si mesma”. 344 Páginas – Editora Seguinte – E. Lockhart  – Ano 2013 – Ficção/YA.

 Cativante, mas, diga-se de passagem, não é o melhor livro da E. Lockhart considerando que temos um enredo original, porém que poderia ser melhor aproveitado.


 Frankie uma garota comum que sofre mudanças positivas e bruscas em seu corpo e sua aparência e com isso sua vida também muda radicalmente, antes não se achava boa o bastante, contudo agora chama a atenção até de Matthew um garoto popular do último ano que se torna seu namorado.
 Sua curiosidade a leva a diversos picos e um deles é que ela descobre que seu namorado, faz parte da Ordem dos Bassês, que é um grupo secreto somente para garotos e com astúcia a garota consegue controlar todo o “clubinho” e fazer coisas super legais ao longo de seu pequeno reinado oculto.



 Quando eu li a crítica deste livro e vi que era da maravilhosíssima E. Lockhart tive a certeza que seria um livro ótimo, assim como “Os Mentirosos”, mas me frustrei um pouco esperando de um YA com um potencial menor considerando o menor potencial da premissa e a expansão de “Os Mentirosos”.
 Mencionei que o enredo é original, e volto a mencionar, apesar de termos clichês de adolescentes em suas fases esquisitas e no colegial. Sobre os personagens tive uma certa afinidade com alguns, por exemplo: o Alfa que apesar de ser um grande bobalhão – cujo o que falarei logo após você verá no final do livro – tem uma certa simplicidade dentro de si. Frankie me irritou um pouco por alguns pensamentos e achismos, mas me cativou por sua inteligência e grandes feitos em nome da ordem.



Não digo que seja um dos melhores livros, pois estaria mentindo, mas é gostoso de se ler. Também não há lacunas na história, contudo se houvesse o acréscimo de alguns detalhes talvez ficaria ainda melhor.

Posts relacionados

2 comentários:

  1. O título é tão grandioso que passa outra coisa. Nem imaginei que fosse um YA... fiquei meio decepcionada já. kkkk

    Até hoje eu pensava que E. Lockhart era homem... não conheço nenhum livro dela! :O

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Títulos grandes também não são a minha praia, mas a considerar pela autora que amo criei certas expectativas. Quando a conheci lembrei do Professor Gilderoy Lockhart de Harry Potter kkk

      Grande abraço!

      Excluir

Obrigado pela visita! =] Volte sempre, com certeza teremos novidades quentinhas pra você!