In Eduarda Graciano livros resenha

Far from the Madding Crowd, Thomas Hardy.



  "A tale of love and loss the first of Thomas Hardy s novels to win him widespread recognition and popularity reissued to accompany a major motion picture due for release in May 2015. I shall do one thing in this life one thing certain that is, love you, and long for you, and keep wanting you till I die Independent and spirited, Bathsheba Everdene owns the hearts of three men. Striving to win her love in different ways, their relationships with Bathsheba complicate her life in bucolic Wessex and cast shadows over their own. With the morals and expectations of rural society weighing heavily upon her, Bathsheba experiences the torture of unrequited love and betrayal, and discovers how random acts of chance and tragedy can dramatically alter life s course. The first of Hardy s novels to become a major literary success, Far from the Madding Crowd explores what it means to live and to love." Far from the Madding Crowd  429 Páginas – William Collins – Thomas Hardy – Ano 2005 (Originalmente em 1874).


                                                        Resultado de imagem para far from the madding crowd thomas hardy
     


  Bathsheba Everdene é forte, independente e muito determinada. Após ficar órfã, ela vai morar com a tia viúva numa pequena propriedade no interior da Inglaterra e lá desperta o interesse de seu vizinho, o jovem fazendeiro Gabriel Oak, que a pede em casamento. A garota recusa, argumentando que não está preparada ou interessada em casamento no momento.

   "It wouldn't do, Mr Oak. I want somebody to tame me; I am too independent; and you would never be able to, I know."*

  Certo dia, para sua surpresa, a moça recebe uma propriedade como herança de um tio distante que acabou de falecer e vai até lá para tomar posse do lugar.

  Por ironia do destino, os caminhos dela e de Gabriel se cruzam novamente, após este passar por infortúnios e ter de vender suas próprias terras, indo parar justamente na fazenda daquela que partiu seu coração.

  Bathsheba enfrentará a sociedade para conquistar seu lugar como mulher independente e como administradora de terras, e despertará o interesse amoroso de seu novo vizinho, o rico William Boldwood e também do sedutor sargento Frank Troy.
  
  Suas relações com esses três homens (Oak, Boldwood e Troy) que têm nela um objeto de afeição, serão determinantes em sua vida, e responsáveis por muitas tristezas e alegrias no futuro.




  Como eu amo Thomas Hardy e essa história! 

  Já tinha provado da genialidade desse autor inglês em Tess (Itatiaia, 1984) e em Judas, o Obscuro (Abril, 1971) - que permanece meu favorito dele - mas quanto mais eu o leio, mais me fascino e apaixono.

  A escrita de Thomas Hardy é poética e consegue arrancar suspiros, sorrisos e lágrimas. Ele descreve as paisagens inglesas e os fenômenos da natureza como ninguém e só por isso já valeria a pena ler suas estórias.

 Sendo um autor completo, além de uma escrita magnífica, suas tramas são carregadas de emoção e personagens bens construídos. 


Pedrazul Editora, 2016
 Em Far from the Madding Crowd (Longe Deste Insensato Mundo, aqui no Brasil e Longe da Multidão, em Portugal) conhecemos a história de Bathsheba, que é uma mocinha que desperta controvérsias e debates quando mencionada. Eu a amo e compreendo, mas muita gente não gosta dela. Ora, para mim sua insensatez e sua inconstância só a tornam mais humana. A garota comete muitos erros durante a história mas sofre com as consequências de todos eles. E como já mencionei aqui, quando o enredo se trata de segundas chances, perdão e amadurecimento, praticamente qualquer história me ganha!

  Aí entram os três "mocinhos" entre os quais, digamos, Bathsheba terá de decidir: o jovem fazendeiro Gabriel Oak, que vivia numa posição confortável e chega a pedir a protagonista em casamento (imagina uma mulher sem recursos como ela era até então, recusar um pedido desses naquela época?), mas acaba perdendo tudo e ironicamente vira seu empregado; o rico Boldwood, um solteiro de meia idade que é o alvo de quase todas as garotas da região, e que desenvolve um amor meio obsessivo por Bathsheba; e o charmoso sargento Troy, com quem ela literalmente "esbarra" por acaso e que fica a cargo da tensão sexual e da paixonite que consome a mocinha (jovens... tsc tsc).






  Acho que é óbvio quem vale a pena aí. Na verdade, o próprio Hardy deixa claro quem é o mocinho desde o começo, ainda que isso não queira dizer que o final é feliz ou que o casal fica junto. Vocês terão que ler pra saber! 

  “I shall do one thing in this life - one thing certain - that is, love you, and long for you, and keep wanting you till I die.”** 

  Os personagens, inclusive os funcionários de Bathsheba, são todos encantadores e fundamentais. Em dados momentos, durante a narrativa, ficamos conhecendo Fanny Robin, que era empregada na fazenda quando o tio da protagonista era vivo e que terá um desenrolar importante (e triste) na história dela.
  
  Não quero ficar me alongando muito, a resenha ficou até pequena mesmo, já que se fosse dizer tudo o que há pra ser dito sobre Far from the Madding Crowd, eu poderia escrever uma tese! Queria falar, sobretudo, do Gabriel, e do modelo de homem que ele é. Mas quem sabe num post especial? Há muito a ser dito sobre esse belo romance de Thomas Hardy, mas acho que nada que eu diga aqui vai se comparar à experiência de explorar essas páginas!

  Tá esperando o quê? 


-
  

 * "Não daria certo, Sr. Oak. Eu gostaria de alguém que me domasse - sou muito independente - e sei que o senhor nunca seria capaz disso."
** "Farei uma coisa nessa vida - uma coisa com certeza - que é amá-la e esperá-la, e continuar a desejá-la até morrer."

Posts relacionados

7 comentários:

  1. Que legal, amei :D

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi!! Pelo que entendi da resenha é um romance de época e todo esse triângulo amoroso já me interessou. A escrita deve ser muito boa. Vou procurar para ler. Bjs <3

    Click Literário

    ResponderExcluir
  3. Oi, Eduarda!
    Menina, eu até que gostei dessa premissa, mas esse triângulo amoroso me deixou com um pé atrás...
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do Natal Literário e ganhe prêmios maravilhosos

    ResponderExcluir
  4. Preciso ler Thomas Hardy! Foi o que pensei depois de ler essa resenha!!! Meu Deus, quanta intensidade em um texto sobre um livro! Gamei!

    Jaci
    Uma Pandora e Sua Caixa

    ResponderExcluir
  5. Amanhã eu falarei de um cara
    por quem fui apaixonado.
    Venha saber de mim e dos meus
    sentimentos quanto a ele.

    Um abraço e, te espero por
    lá, hein.


    .

    ResponderExcluir
  6. Ainda não tinha ouvido falar do livro e não parece o tipo de livro que me desperta uma vontade louca de ler, sabe? Maaas, já sinto que, se eu lesse, adoraria a Bathsheba, ela parece bem independente!
    Um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com ❥

    ResponderExcluir
  7. Oi, Eduarda. Não conhecia esse autor e fiquei bem curiosa para ler a obra.

    Abraços,
    Naty
    http://www.revelandosentimentos.com.br

    ResponderExcluir

Obrigado pela visita! =] Volte sempre, com certeza teremos novidades quentinhas pra você!