In Eduarda Graciano livros resenha

Tristessa, Jack Kerouac.



  "Tristessa é uma junkie decaída, viciada em morfina, que vive na Cidade do México, e por ela se apaixona Jack, o protagonista deste romance, um poeta norte-americano. Publicado pela primeira vez em 1960 e baseado em fatos autobiográficos (em 1955 Kerouac apaixonou-se por uma prostituta índia chamada Esperanza), Tristessa é um belo exemplo da prosa poética do autor. O narrador do livro é todo compaixão ao descrever a sórdida vida de Tristessa, sua inocência corrompida e a peregrinação dos dois e de seus amigos (entre eles Allen Ginsberg) pelo submundo da capital mexicana. Um romance triste, de linguagem pulsante, cheio de ensinamentos budistas e repleto de compaixão pelo sofrimento humano." Tristessa  112 Páginas – L&PM Pocket – Jack Kerouac – Ano 2006 (Originalmente em 1960).



                                                     Imagem relacionada
   


  Jack é um poeta americano que vive na Cidade do México e nutre uma paixão pela colega Tristessa, uma mexicana nativa viciada que sucumbe cada vez mais às drogas.




  Temos por Kerouac, nessa novela, um povo mexicano abandonado e marginalizado. A história não se passa nas ricas mansões das novelas e sim nos espaços urbanos símbolos de decadência e pobreza: os guetos, becos e calçadas encardidas. 

  Seu protagonista - que tem o mesmo nome, pois se trata uma autobiografia - é um jovem americano, poeta, que vive há algum tempo no país vizinho e divide sua realidade com Bull, outro estrangeiro melancólico e viciado, e Tristessa, que vive para e pela morfina.

  Acompanhamos, durante as andanças de Jack, suas angústias e preocupações com aquela que dá nome à obra, por quem ele nutre um amor quase platônico, e com quem sabe que não poderá ficar, já que sempre perderia para a heroína, a morfina e para as bolas (tive que pesquisar e pelo que entendi se trata de anfetamina) na preferência da garota.

   " [...] Ou ela vai morrer em meus braços ou vão apenas me contar sobre isso."

 Esse é meu primeiro Kerouac e apesar de um livro curtíssimo, a leitura não é assim tão fácil, já que o autor derrama seus pensamentos numa espécie de fluxo de consciência. Achei a narrativa bastante poética e viva, visto que estamos imersos ali naquele mundo das drogas, do sexo e, porque não dizer, da sujeira. 

  Tess vive para isso. E Jack sabe que em algum momento ela sucumbirá. Só resta a ele estar ali então.



  Os personagens (além de Tess, Bull e Jack, podemos destacar El Indio e Cruz) estão todos absorvidos por essa sobrevivência sem sentido, vagando de bar em bar, de beco em beco, sempre em busca da próxima dose.

   " Porque Tristessa precisa de minha ajuda mas não vai aceitá-la e eu não vou dar - mas, supondo que todos no mundo se dedicassem a ajudar os outros o dia inteiro, por causa de um sonho ou de uma visão de liberdade de eternidade, o mundo não seria então um jardim?"

   Está aí um livro que te faz sentir. Pulsar. A melancolia permeia toda a história e nós leitores vamos seguindo Jack e Tristessa, pelas duas partes em que ela é dividida, torcendo o tempo todo para que esses personagens, tão queridos à nós então, rumem para outro destino que não a decadência.

Posts relacionados

10 comentários:

  1. Oi, Duda!
    Não conhecia o autor e nem a obra, mas achei interessante focar nos mexicanos marginalizados. Dificilmente a gente encontra livros abordando isso.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, acho que até tem bastante livros... é que não viram best seller. rs
      Bjs

      Excluir
  2. Oi Eduarda! Dá pra sentir de longe a melancolia do livro rs não é algo que leria no momento, mas achei bem interessante!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É melancólico mesmo. Não recomendo num momento ruim rs
      Bjss

      Excluir
  3. Oi Eduarda!
    Eu adoro narrativas que usam do fluxo de consciencia. Já li Kerouac (um livro de historias curtas) e gostei da vivacidade da narrativa. A trama desse livro parece interessante e gostei muito dos quotes que você destacou.
    Beijos,
    Alem da Contracapa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obg Mariana.
      Quero ler outras coisas dele tb!
      Bjss

      Excluir
  4. Oi! Realmente a obra mostra uma realidade totalmente diferente das novelas. E só de ler a resenha fiquei triste pela Tristessa e Jack que a ama. Achei o enredo bem original. Bjos ❤

    Click Literário

    ResponderExcluir
  5. Oi Duda,
    Masgente, assisto as novelas do México haha mas nunca li um que se passasse lá e me agrada esse pelo tom da abordagem. E sempre fui curiosa em ler algo do autor, quem sabe esse ano consiga.

    Ótima sua resenha!

    bjs
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir

Obrigado pela visita! =] Volte sempre, com certeza teremos novidades quentinhas pra você!