In Eduarda Graciano livros resenha

O exorcista.


Nos Estados Unidos da América, algo muito estranho acontece. Atingida por uma doença que os melhores especialistas não conseguem descobrir, uma criança caminha para a morte, semeando a destruição à sua volta, ao mesmo tempo em que se vai apagando numa agonia atroz. | William Peter Blatty – Editora Nova Fronteira – 321 Páginas – Ano 1972 – Ficção, Terror.

  Chris MacNeil é uma atriz famosa e bem sucedida que divide sua vida entre a profissão e Regan, sua adorável filha de 11 anos. Elas vivem de forma confortável com seus empregados, até que um dia Regan começa a apontar um comportamento estranho: ela alega ouvir vozes, ver coisas e garante que sua cama “estremece”. Além disso, dores sem explicação começam a tomar conta da menina, que está cada vez mais debilitada e preocupa muito a mãe que, mesmo ateia, chega a ter certeza que toda essa situação se deve a alguma presença sobrenatural que se instalou não só em sua casa, mas também em sua filha.


 O Exorcista é simplesmente um dos melhores livros que já li, de terror ou não. Ao contrário da maioria das pessoas eu consegui dormir, mas pra garantir não lia durante a noite. haha

 A escrita do autor é simples e flui que é uma beleza. Se tem um livro que eu nunca vi alguém associar ao adjetivo “cansativo”, é O Exorcista! Ouso chamá-lo de magnífico e mesmo quem viu a famosa adaptação de 73, vai achar impossível parar de ler. Blatty usa vários pequenos códigos, que talvez só sejam compreendidos pelos fãs mais assíduos de histórias de horror (como por exemplo o fato de as manifestações aumentarem por volta das 3h da manhã e algumas palavras ao contrário proferidas por Regan). Eu gosto do fato de que esses códigos estão ali óbvios e, no entanto você precisa de atenção para percebê-los, porque o autor não se dá ao trabalho de explicar.

 Além de Regan e Chris, a trama conta com outros personagens muito importantes e vale destacar os exorcistas da história: Damien Karras, padre que carrega no coração a culpa pela solidão e morte da mãe, além disso, tem o que poderíamos chamar de “tendências ateístas”; e o padre Merrín, um jesuíta que tem experiência em exorcismos e acredita estar, em seu novo caso, frente à um antigo inimigo.

 O livro trata de diversas questões, espirituais e humanas, de forma não só inteligente, mas também apavorante. O ponto alto pra mim são as discussões entre a entidade e os padres Damien e Karras. Confesso que além do terrorzinho, dei umas boas risadas com as provocações do demônio e (principalmente) com as imitações de animais que ele fazia.

 Com certeza um livro na minha lista de releituras! Recomendo sempre, mas de luz acesa.

Posts relacionados

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado pela visita! =] Volte sempre, com certeza teremos novidades quentinhas pra você!