In Eduarda Graciano livros resenha

A paixão segundo G. H., Clarice Lispector.



A escultora G.H. nos conta sua experiência vivenciada a partir do instante em que entra no quarto da ex-empregada, vê o surgimento de uma barata no guarda-roupa e a esmaga na porta. Daí em diante, tomada por uma mistura de medo e repulsa, G.H. vive com a barata durante horas e horas a sensação de ter perdido a sua "montagem humana". A incapacidade de dar forma ao que lhe aconteceu, a aceitar este estado de perda, a leva a imaginar que alguém está segurando a sua mão. Desta maneira, o leitor passa a viver junto com a personagem esta experiência singular. | Clarice Lispector – Editora Rocco – 180 Páginas – Ano 1998 (Originalmente em 1964) – Literatura brasileira, romance.


Ao ficar sem a empregada, uma mulher identificada como G.H. resolve fazer uma faxina na casa, começando pelo quarto de serviço, essa dona de casa da burguesia se depara com a estranheza de um local que foi modificado por aquela que o ocupava. Ela percebe que não conhecia de fato aquele canto de sua própria casa e é no confronto – pois podemos assim chamar – com uma barata, que irá refletir sobre as percepções que tem sobre a vida, a morte, o ser humano e a paixão.

Dessa vez encaramos um cenário muito diferente do que nos traz Macabéa. Ao contrário daquela, nossa protagonista é uma mulher que vive no conforto e está acostumada a certas mordomias. Além disso, a história nos é apresentada na estrutura de fluxo de consciência.

Clarice não se prende a reflexões rasas ou mesmo a um sentido., pois a moça logo que vê um inseto se assusta, pois é asqueroso para ela. Temos acesso a toda e cada sensação que acomete a personagem ao encarar uma “antiga” inimiga. A intensificação dos fatos fica ainda mais grave quando a mulher decide matá-la, e o choque vem quando do alto de sua contemplação e de seus devaneios, G.H. decide provar do caldo branco liberado pelo bicho.

A Paixão Segundo G.H. parece simplista num primeiro olhar, por apresentar meramente o cotidiano banal, e de certa forma é realmente isso. A vida como ela é: bagunçada, confusa, curiosa e visceral.


Posts relacionados

2 comentários:

  1. Oi Duda,
    MDS não acredito que mulher provou o negócio da barata.
    Não acredito que tem barata nesse livro HAHAHA
    Eu só tive um contato com a autora na época da facul, mas foi minímo.
    Tenho que parar de preguiça e dar uma chance maior. Esse parece trazer algumas reflexões sociais.

    até mais,
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  2. Choquei agora com essa cena da barata. Ecaaa, kkkkkkk
    Eu já li alguns textos da autora, mas nunca uma obra completa. Acho que até tenho um livro dela aqui. Vou ver se procuro depois, hehe!

    =)

    Suelen Mattos
    ______________
    ROMANTIC GIRL

    ResponderExcluir

Obrigado pela visita! =] Volte sempre, com certeza teremos novidades quentinhas pra você!