In livros Meicy Lins resenha

O Morro dos Ventos Uivantes, Emily Bronte.



“Na fazenda chamada Morro dos Ventos Uivantes nasce uma paixão devastadora entre Heathcliff e Catherine, amigos de infância e cruelmente separados pelo destino. Mas a união do casal é mais forte do que qualquer tormenta: um amor proibido que deixara rastros de ira e vingança. "Meu amor por Hethcliff é como uma roca eterna, usou Heathcliff", diz a apaixonada Cathy. O único romance escrito por Emily Bronte e uma das histórias de amor mais surpreendentes de todos os tempos, O Morro dos Ventos Uivantes é um clássico da literatura inglesa e tornou-se o livro favorito de milhares de pessoas, incluindo os belos personagens de Stephanie Meyer”. | Gênero: Romance/Drama – Autora: Emily Bronte – Editora: Lua de papel – Páginas: 292 – Ano: 2009 (Publicação original: 1847)


"Se o amor dela morresse, eu arrancaria seu coração do peito e beberia seu sangue".

Começo a resenha com está citação maravilhosa de “O Morro dos Ventos Uivantes”, uma prova de que o livro é intenso e cheio de amor capaz de arrebatar e transformar os leitores. Os fãs da saga Crepúsculo conhecem este clássico através das inúmeras citações de Edward e Bella, e foi justamente o eterno casal sobrenatural que me incentivaram a lê-lo. O livro de Emily Bronte não conseguiu me fisgar no primeiro contato, isto porque os personagens não são notórios no início e por vezes parecem monótonos e enfadonhos, porém, com o passar dos capítulos é impossível não ser completamente capturado pela narrativa elegante e encantadora da autora.

Sr. Lockwood é o narrador-personagem que acaba de se mudar para a "Granja dos Tordos", uma fazenda que como todas as outras da região é repleta de histórias misteriosas sobre o passado dos antigos moradores. Motivado pela vontade de conhecer os vizinhos, Lockwood decide visitar o mal-humorado e recluso Heathcliff, um homem amargurado cujo passado é cheio de dor e maldade. Um incidente acaba obrigando o novo morador a passar a noite na não tão "calorosa" fazenda chamada de "O morro dos Ventos uivantes", onde conhece a adorável senhora Heathcliff, uma jovem garota que aparentemente não possui idade para estar casada com o idoso Heathcliff. Locwood acaba descobrindo que ela não se trata da esposa do seu anfitrião, mas que é sua nora que prematuramente se tornou viúva, mas o que realmente o surpreende é a maneira como a jovem é tão maltratada por todos os moradores da casa.

Na mesma noite, já cansado da má hospitalidade com que foi recebido, Lockwood se refugia em um dos quartos da casa, encontrando livros e espécies de diários com rabiscos infantis de Catherine Earnshaw, nos livros é narrado a infância dolorosa e libertina de Cathy e de seu melhor amigo, que ironicamente é o anfitrião rabugento. No dia seguinte, cansado e assustado com as lembranças tórridas que lera nos diários, Lockwood imediatamente retorna para o conforto de sua nova casa, onde vive na companhia de uma criada chamada Ellen Dean. Curioso para saber mais sobre os antigos moradores da casa onde vive e a terrível ligação que existia entre eles e os Heathcliff, Lockwood pede para que Ellen conte a ele histórias sobre as duas famílias.

Ellen, alcunha Nelly, não só conhece o passado de todos no vilarejo, como esteve presente na maioria dos acontecimentos trágicos que cerca as duas fazendas. A narrativa se desenrola com as narrações nostálgicas da velha criada, é a partir de então que conhecemos os demais personagens, entre eles o motivo de toda a tristeza que cerca a vida de Heathcliff, a misteriosa e impetuosa Catherine. Heathcliff foi adotado pela família de Cathy, e os dois cresceram como amigos e confidentes, até que a morte do patriarca coloca a perder a felicidade das crianças que logo são tutelados pelo irmão mais velho de Cathy, irmão este que nutre sentimentos odiosos pelo novo integrante da família.

Catherine desde pequena sempre demonstrou ter uma personalidade forte e altiva, apesar da criação privilegiada, cresceu mimada e egoísta, reconhecendo apenas o amor do seu companheiro de infância, porém, o herdeiro da herança Earnshaw não mede esforços para separar a irmã daquele que ele considera um "oportunista". Heathcliff é obrigado a crescer em um lar onde é rejeitado e frequentemente humilhado, guardando em seu coração todas estas mágoas e encontrando conforto na companhia de sua jovem amada, até que a adolescência conturbada divide os caminhos dos dois, fazendo com que somente ódio e vingança permaneça no coração do pobre rapaz.

Catherine acaba fazendo novos amigos, entre eles Isabella e Edgar Linton, irmãos que dividem o prestígio da mais linda e adorada garota da fazenda do Morro dos Ventos Uivantes, e que como o irmão de Cathy, também detesta o garoto de pele escura que cresceu na família Earnshaw. Cathy evidentemente nutre uma paixão secreta por aquele que deveria ser seu irmão adotivo, mas acaba escolhendo abrir mão desse amor para conquistar estabilidade financeira e prestigio, decidindo então casar-se com Edgar Linton. Heathcliff não consegue viver com a ideia de perder Catherine e foge de casa, retornando três anos depois completamente transformado e misteriosamente rico.

Cathy agora é a adorada Senhora Linton, transformou-se em uma mulher deslumbrante, mas que esconde na faceta de anjo, um gênio forte e arredio, caprichosa e obstinada, a garota acaba tendo nas mãos o afeto e o coração do marido que não hesita em fazer suas vontades. Tanto o Morro dos ventos Uivantes, quanto a Granjo dos Tordos viviam momentos de paz e calmaria, até o retorno de Heathcliff colocar a perder o sossego de ambos. Determinado a conquistar a afeição de sua velha amiga, e vingar-se das injúrias que sofreu na infância, o belo e corajoso Heathcliff se tornou um homem poderoso e insensível, que não mede esforços para magoar e humilhar seus inimigos.

É esta sede de vingança que acaba afastando cada vez mais o jovem casal que se ama desde a infância, Catherine não está disposta a abrir mão dos privilégios que o casamento lhe proporciona, e Heathcliff não consegue esquecer as humilhações que promete revidar a cada um dos seus inimigos. O Morro dos Ventos Uivantes é um romance trágico e tórrido, cheio de dor e angústias que prendem o leitor a cada capítulo, é praticamente impossível detestar os personagens principais, mesmo quando muitas vezes suas atitudes se confundem com as dos vilões. Narrando perdas avassaladoras e reviravoltas inusitadas, Emily Bronte consegue não só emocionar como abordar a inevitabilidade do amor adolescente e o labirinto de sofrimento causado pela vingança.

Termino então da mesma maneira que comecei, com uma das citações mais românticas e encantadoras deste clássico:

"E mesmo que eu te amasse com todas as forças do meu corpo, nem em cem anos poderia te amar tanto quanto te amei em um único dia".

Leia mais!

Share Tweet Pin It +1

1 Comments

In dicas Julia Rietjens

5 Vídeos com Dicas de Escrita.



Você já teve dúvidas de como pode melhorar sua escrita? Já quis aprimorar a forma com a qual expressa suas ideias? Seja para escrever uma dissertação simples ou um romance épico, pois bem, separei alguns vídeos de canais do YouTube que adoro, recomendo e que falam um pouco sobre como deixar seus textos ainda mais incríveis.













Ideias Radicais – Como escrever melhor



E aí, você já conhecia algum desses canais ou já havia visto algum desses vídeos? O que acharam das dicas que eles passaram? Conte pra mim nos comentários se há outro canal que você gosta e que também dê dicas legais para escrever melhor!


Leia mais!

Share Tweet Pin It +1

0 Comments

In Eduarda Graciano livros resenha

A paixão segundo G. H., Clarice Lispector.



A escultora G.H. nos conta sua experiência vivenciada a partir do instante em que entra no quarto da ex-empregada, vê o surgimento de uma barata no guarda-roupa e a esmaga na porta. Daí em diante, tomada por uma mistura de medo e repulsa, G.H. vive com a barata durante horas e horas a sensação de ter perdido a sua "montagem humana". A incapacidade de dar forma ao que lhe aconteceu, a aceitar este estado de perda, a leva a imaginar que alguém está segurando a sua mão. Desta maneira, o leitor passa a viver junto com a personagem esta experiência singular. | Clarice Lispector – Editora Rocco – 180 Páginas – Ano 1998 (Originalmente em 1964) – Literatura brasileira, romance.


Ao ficar sem a empregada, uma mulher identificada como G.H. resolve fazer uma faxina na casa, começando pelo quarto de serviço, essa dona de casa da burguesia se depara com a estranheza de um local que foi modificado por aquela que o ocupava. Ela percebe que não conhecia de fato aquele canto de sua própria casa e é no confronto – pois podemos assim chamar – com uma barata, que irá refletir sobre as percepções que tem sobre a vida, a morte, o ser humano e a paixão.

Dessa vez encaramos um cenário muito diferente do que nos traz Macabéa. Ao contrário daquela, nossa protagonista é uma mulher que vive no conforto e está acostumada a certas mordomias. Além disso, a história nos é apresentada na estrutura de fluxo de consciência.

Clarice não se prende a reflexões rasas ou mesmo a um sentido., pois a moça logo que vê um inseto se assusta, pois é asqueroso para ela. Temos acesso a toda e cada sensação que acomete a personagem ao encarar uma “antiga” inimiga. A intensificação dos fatos fica ainda mais grave quando a mulher decide matá-la, e o choque vem quando do alto de sua contemplação e de seus devaneios, G.H. decide provar do caldo branco liberado pelo bicho.

A Paixão Segundo G.H. parece simplista num primeiro olhar, por apresentar meramente o cotidiano banal, e de certa forma é realmente isso. A vida como ela é: bagunçada, confusa, curiosa e visceral.


Leia mais!

Share Tweet Pin It +1

2 Comments

In filmes/séries

Terror na Estrada (Curve).




Título: Terror na Estrada (Curve)
Direção: Iain Softley
Nacionalidade: EUA
Idioma original: Inglês
Gênero: Terror, Suspense
Lançamento: 2015
Duração: 1h22min.

“Após dar carona a um estranho em uma estrada deserta, uma jovem praticamente assinou a sua sentença de morte. Isso porque o homem acaba se revelando um predador da pior espécie. Desesperada e sem saber o que fazer para fugir, ela toma uma atitude drástica: capotar o seu carro em alta velocidade, e torcer para sair com vida”.

Na estrada sozinha a caminho de seu casamento, a jovem Ella (Penelope Mitchell) não tinha a mínima certeza se era realmente isso que queria para sua vida e principalmente se seu noivo era realmente o homem certo. Ainda pensando se realmente deveria fazer isso, repentinamente seu carro quebra no meio da estrada deserta, e ao aparecer uma ajuda em formato de morte as coisas pioram cada vez mais.

Terror na estrada sem dúvidas é um daqueles longas que proporciona ao telespectador uma sensação de clichê ao ler a sinopse e assistir as primeiras cenas. Não obstante podemos destacar que o filme não é nada sobre a primeira impressão, o que desconstrói a ideia de que “a primeira impressão é a que fica”.

O enredo é surpreendente e a produção soube aproveitar exatamente a sacada clichê e transformar este suspense em uma história atrativa e interessante a quem assiste.

Os personagens não são muito elaborados, mas são excelentes em seus papéis, todos com seus motivos, principalmente o serial killer Christian Laughton (Teddy Sears) que por mais que os criadores não tenham externado seus motivos por ter se tornado esta pessoa, através de alguns detalhes conseguimos entender os motivos (que não justificam um monstro desses).

A dosagem entre terror e suspense está na média, pois as surpresas no decorrer do filme não são numerosas, porém são o que eu chamaria de chamada para o entretenimento, pois acima de todos os aspectos mantém o telespectador entretido.

Uma obra com esta qualidade possui uma particularidade especial, pois é derivada de emoções e clichês que prende a atenção e surpreende quem o aprecia.

Leia mais!

Share Tweet Pin It +1

1 Comments

In filmes/séries Meicy Lins

Reign.



Título: Reign
Gênero: Romance, drama, suspense e terror.
Criador: Laurie McCarthy
Nacionalidade: Estados Unidos
Criação: 17 de outubro de 2013 (Finalizada)
Temporadas: 4



“A série conta a história de Mary Stuart, Rainha da Escócia e seu caminho até o poder, iniciando com sua chegada à França ainda na adolescência e seu noivado com o Príncipe Francis. Acompanhada de suas quatro melhores amigas, Mary precisa sobreviver às intrigas, inimigos e forças obscuras que tomam conta da corte francesa”.

Tem início com uma breve cena da rainha Mary Stuart em um convento na Escócia onde os ingleses, inimigos de seu país, executam um atentado contra a sua vida envenenando sua refeição. Temendo um novo ataque, as freiras que foram responsáveis pela educação de Mary, decidem que está na hora da rainha retornar a França para casar-se com Francis, o príncipe herdeiro com quem ela mantém um noivado desde os seis anos de idade.

Ao retornar para o solo francês, Mary sabe que precisará lidar com suas inseguranças e conta com a ajuda de quatro amigas e damas de companhia: Kenna, Greer, Lola e Aylle, para se sentir à vontade em seu novo lar. Porém, Nostradamus, o conselheiro da rainha Catherine, mãe de Francis, prever um futuro terrível para o próximo rei se este se casar com Mary, o que faz com que a rainha reúna suas armas para impedir esta união. Obstinada e corajosa, a doce rainha Mary está decidida a conquistar o coração de seu jovem noivo, mas este ver em seu casamento arranjado apenas um acordo entre dois países poderosos que precisam um do outro para sobreviverem.

Em contrapartida, as amigas e fiéis companheiras da rainha da Escócia, estão compenetrados na difícil tarefa de encontrar e conquistar um pretendente com título, mas acabam tendo que lidar com os desafios vividos na corte francesa, onde aqueles que são guiados por seus corações acabam seguindo caminhos tortuosos e cheios de sofrimento. Cheia de graça, beleza e esperteza, Mary acaba conquistando a afeição daqueles que a cercam, inclusive de Sebastian, o bastardo do rei que acaba se apaixonando pela moça, paixão essa que não tem futuro, já que Mary é prometida a seu irmão.

Com o passar do tempo Mary e Francis acabam encontrando um no outro o amor que achavam que jamais existiria, mas este romance está cada vez mais ameaçado, agora que Catherine fará o possível para salvar o filho da maldição que o aguarda. A série é baseada na vida de Mary Stuart, rainha da Escócia, França e Inglaterra, não é totalmente fiel a realidade, mas é impossível não se apaixonar pelos romances que nascem em meio a tantos conflitos de poder, e pelos personagens que crescem a cada episódio.

Reign aborda relações de poder que cercavam o mundo na época da monarquia, mostrando que Reis e rainhas não eram completamente felizes dentro dos seus castelos.


Leia mais!

Share Tweet Pin It +1

1 Comments

In inspiração Julia Rietjens

A Vida e Obras de Fernando Pessoa e Machado de Assis.



No mês de junho é comemorado o aniversário de dois grandes nomes da literatura, Fernando Pessoa e Machado de Assis. Vamos conhecer um pouco mais sobre eles?


FERNANDO PESSOA

Fernando Pessoa nasceu no dia 13 de junho de 1888, em Lisboa, Portugal, e ainda hoje é considerado um dos mais importantes poetas, filósofos, dramaturgos, ensaístas, tradutores e críticos literários portugueses. Foi educado na África do Sul e, por conta disso, escreveu seus primeiros poemas em inglês. Só aos 20 anos é que passou a compor em português, tratando de temas tradicionais de Portugal e de algumas reflexões do seu eu.

Em 1915 produz alguns textos para a revista Orpheu, os quais foram linchados pela sociedade conservadora da época. Portanto, Pessoa começa a adotar heterônimos – ou seja, indivíduos diferentes, com personalidades diferentes, cada qual representando as angustias ou desejos do autor. Veja abaixo:

·         Alberto Caeiro nasceu em Lisboa no dia 16 de abril de 1889 e viveu quase toda sua vida como camponês, praticamente sem estudos. Caieiro apenas escreveu poesias, pois afirmava que somente estas dariam conta de expressar a realidade. Por isso, diz-se que Alberto foi o mais objetivo de seus heterônimos, pois buscava eliminar qualquer subjetividade de seus textos.
·         Álvaro de Campos nasceu em Porto, em 19 de setembro de 1887. Foi o único a mostrar diversas fases poéticas ao longo de suas obras. Tem como característica marcante ser um estrangeiro em qualquer parte do mundo, por isso é ligado à vontade de conquistar e pela paixão ao progresso. Além disso, é considerado ser o lado mais moderno de Pessoa, pois era ligado ao Futurismo.
·         Ricardo Reis também nasceu em 19 de setembro de 1887, no entanto, ao contrário do heterônimo anterior, representa uma vertente clássica e neoclássica. Mais formal, expressava suas obras com simetria, harmonia e bucolismo. Tratava muito sobre o fim de todos os serem vivos.

Em vida, Fernando Pessoa publicou apenas quatro de seus trabalhos: 35 Sonnets (1918), Antinous (1918), English Poems I, II e III (1921) e Mensagem (1934). No entanto, após sua morte, foram publicadas mais de dez obras. Conheça algumas abaixo:

·         1942: Poesias de Fernando Pessoa
·         1944: Poesias de Álvaro de Campos, A Nova Poesia Portuguesa
·         1946: Poesias de Alberto Caeiro, Odes de Ricardo Reis
·         1952: Poemas Dramáticos
·         1974: Poemas Ingleses Publicados por Fernando Pessoa
·         1986: O Guardador de Rebanhos de Alberto Caeiro
·         1986: Primeiro Fausto


MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839, no Rio de Janeiro. Foi criado no Morro do Livramento e, apesar de não ter condição monetária para investir em educação, estudou como pôde. Sempre ligado ao mundo intelectual, foi um importante jornalista, contista, cronista, romancista, poeta e teatrólogo brasileiro, além de ter alcançado cargos públicos de valor.

Aos 15 anos, publicou seu primeiro trabalho, o soneto À Ilma. Sra. D. P. J. A.. Trabalhou na Imprensa Nacional, no Correio Mercantil, na redação do Diário do Rio de Janeiro e também escreveu regularmente na revista O Espelho, como crítico teatral. Seu primeiro Romance, Ressureição, foi publicado em 1872.

Machado de Assis testemunhou a Abolição da Escravatura e a substituição do Império pela República, comentando frequentemente sobre as mudanças políticas no país durante sua época. Ocupou por mais de dez anos a presidência da Academia Brasileira de Letras, também conhecida como Casa de Machado de Assis. Sua obra continua sendo, ainda hoje, muito importante para as escolas literárias brasileiras.

Conheça as suas principais obras:

  • ·         1864: Crisálidas
  • ·         1866: Os Deuses de Casaca
  • ·         1870: Contos Fluminenses
  • ·         1881: Memórias Póstumas de Brás Cubas
  • ·         1882: O Alienista
  • ·         1891: Quincas Borba
  • ·         1899: Dom Casmurro
  • ·         1901: Poesias Completas


Leia mais!

Share Tweet Pin It +1

2 Comments

In Eduarda Graciano livros resenha

Persuasão, Jane Austen.



O romance se passa na Inglaterra rural, no início do século XIX. Anne Elliot, filha de Sir Walter Elliot, um vaidoso e esnobe baronete, apaixona-se por Frederick Wentworth, um jovem inteligente e ambicioso, mas sem tradições ou conexões familiares importantes. Por esse motivo, é persuadida a romper com ele. Oito anos depois, Anne pensa com mais autonomia e maturidade e o destino fará com que seu caminho e o de seu grande amor se cruzem novamente. | Jane Austen – Martin Claret – 241 Páginas – Ano 2010 (Originalmente em 1818) – Literatura estrangeira, romance.





Anne Elliot se depara com o arrependimento quando, oito anos após seu rompimento com o jovem Frederick Wentworth por influência de sua amiga Lady Russell, ele retorna para sua vida. Como se não bastasse, agora rico e oficial da marinha inglesa. Anne precisará encarar a frieza e o ressentimento de Frederick da pior forma possível: com plena consciência de que ainda é apaixonada por ele.

Não exagero nem um pouco quando digo que o livro mais dramático da Jane é também seu livro mais romântico. Sim, mais do que Orgulho e Preconceito. Na verdade, sem nenhuma hesitação digo que Persuasão é o livro mais romântico que já li na minha vida! Obviamente, mesmo com o romance em foco, como todo livro da Jane Austen é muito mais do que isso: arrependimentos, segundas chances, o ato de se deixar levar pela opinião de terceiros e, é claro, o perdão, são alguns dos temas que nos traz o último romance publicado (já postumamente) da autora.

Anne Elliot tem 27 anos e uma alma muito boa, é a filha do meio do viúvo Sir Walter Elliot, baronete de Kellynch Hall, porém nem ele nem suas filhas Elizabeth e Mary têm muito afeto por Anne, que vê em Lady Russell, que fora amiga íntima de sua mãe, sua maior confidente.

É justamente essa amizade e a grande confiança que deposita em Lady Russell que faz com que a moça, oito anos antes, desfaça o compromisso com o jovem Frederick Wentworth. O argumento de Lady Russell é o de que Wentworth, embora inteligente e destemido, não tem dinheiro para prover a Anne a vida com que ela esteve acostumada.

Mas como dizem por aí... o mundo gira! E quando um praticamente falido Sir Walter aluga sua propriedade para o Almirante Croft, cunhado de Wentworth, as vidas dele e de Anne se cruzarão novamente. Ninguém sabe sobre o envolvimento que ambos tiveram anos atrás, o que faz com que apenas Anne perceba a frieza com que está sendo tratada, já que o Capitão guarda muita mágoa e ressentimento não só pela recusa, mas por como ela se deu, com Anne deixando-se influenciar tão facilmente. 

Como sempre, Jane Austen retrata a sociedade inglesa do início do século XIX de forma bastante elegante e racional. Um enredo e personagens pra suspirar e inspirar!


Leia mais!

Share Tweet Pin It +1

0 Comments

In cotidiano

Cinco lições de 13 Reasons Why.


Os treze porquês impuseram ao público um grande impacto em perspectiva a diversos assuntos demasiadamente delicados que ocorre com uma certa frequência, como por exemplo: suicídio, bullying, estupro, violência, etc. Clara e objetivamente podemos visualizar através das fortes sequências de cenas lições boas, ruins e dolorosas.

Analisando a segunda temporada foi possível constatar a dimensão que um suicídio toma na vida das pessoas envolvidas direta e indiretamente, independente do motivo e grau de envolvimento, e como isso gera um choque aos telespectadores exatamente pela força que o enredo possuí e na autenticidade trabalhada nas cenas.

Portanto apresento a você cinco lições que 13 Reasons Why (Os treze porquês) nos traz:

5 – Atenção: hoje em dia é comum estarmos próximos de pessoas tristes e cabisbaixas e na maioria das vezes passa despercebido, e geralmente não é convencional sabermos o motivo que muitas das vezes é oculto por opção da pessoa, portanto observar aquele amigo, conhecido, etc, que sempre fica acanhado, calado ou cabisbaixo pode indicar diversas coisas e talvez você seja a pessoa que irá ajuda-lo (a).

4 – A violência tem que parar: a violência está por toda parte e nós somos os grandes vilões de tudo que se passa hoje no mundo, pois são as consequências de nossas atitudes. Raramente vemos atos de gentileza, compaixão e empatia, e isso é triste, portanto se você quer ver diferença no mundo, comece por você. Uma atitude muda tudo.

3 – Empatia: estamos expostos e sujeitos aos mais variados comentários, a violência, a apelidos ofensivos, etc, por isso ter a consciência de que este tipo de atitude com o próximo pode de fato ocasionar algo de grande expansão é indispensável, e refletir que isso não seria legal se acontecesse com você. Sempre é bom termos o conhecimento de nossos limites e realmente nos conhecermos de forma profunda, pois existem pessoas que tem os mesmos ou limites diferentes dos nossos, e isso gera um diferencial esperançoso para quem luta contra as causas tratadas na série.

2 – Abuso sexual: este é um assunto muito sério e falando um pouco de dados estatísticos, segundo a site Exame (23 de novembro de 2017), só no Brasil foram registrados 49.400 ocorrências de estupro só em 2016. Portanto é possível perceber o quão complexo este assunto é, pois no mundo sua expansão também é muito grande e ainda não se tem uma solução eficaz em todos os países  que é uma lástima.

1 – A culpa: pode-se observar que as razões da série possuem culpa, e por consequência de atitudes precipitadas, erradas ou até mesmo inconscientes podemos ferir alguém, portanto é sempre bom agir de forma gentil e empática, pois distribuir amor ao invés de trevas geram mais frutos, pois esse sentimento destrói o próximo e a você também.


“Uma caixa de sapatos é enviada para Clay (Dylan Minnette) por Hannah (Katherine Langford), sua amiga e paixão platônica secreta de escola. O jovem se surpreende ao ver o remetente, pois Hannah acabara de se suicidar. Dentro da caixa, há várias fitas cassete, onde a jovem lista os 13 motivos que a levaram a interromper sua vida - além de instruções para elas serem passadas entre os demais envolvidos”.


Leia mais!

Share Tweet Pin It +1

1 Comments

In dicas Julia Rietjens

5 Lançamentos de Livros de 2018.


Pensando em renovar a sua estante? Confira abaixo alguns livros inéditos de 2018 que valem à pena serem lidos:



A CANÇÃO DAS ÁGUAS (Sarah Tolcser)
Sinopse:
Caroline Oresteia é destinada às águas. Geração após geração, sua família recebe o chamado do deus do rio, que guia a s embarcações por viagens infindáveis através das Terras dos Rios. Assim, a jovem passou a vida esperando finalmente ouvir seu chamado. Porém, passaram-se 17 anos e o deus do rio ainda não sussurrou seu nome – e se ele ainda não o fez, existe a chance de jamais fazê-lo.Quando o pai de Carô é preso por se recusar a transportar uma carga misteriosa, ela decide então tomar o destino nas próprias mãos. Concordando em entregar tal carga em troca da libertação do pai, Carô se vê presa numa rede de intrigas políticas, piratas perigosos e… paixão. Definitivamente, a carga que está transportando está bem longe de estar segura. Como lidar com tudo isso sem a ajuda do deus do rio?Nesta aventura, Carô precisará escolher entre a vida que sempre quis e uma outra, nova, que jamais imaginou para si.Mergulhe n’ A canção das águas, fantasia ricamente elaborada por Sarah Tolcser, e desbrave novos caminhos. Respire fundo: este é só o começo da jornada.

 INTERFERÊNCIAS (Connie Willis)
Sinopse:
Em um futuro não muito distante, um simples procedimento cirúrgico é capaz de aumentar a empatia entre os casais, e ele está cada vez mais na moda. Por isso, Briddey Flannigan fica contente quando seu namorado, Trent, sugere que eles façam a cirurgia antes de se casarem — a ideia é que eles desfrutem de uma conexão emocional ainda maior, e que o relacionamento fique ainda mais completo. Bem, essa é a ideia. Mas as coisas acabam não acontecendo como o planejado: Briddey acaba se conectando com outra pessoa, totalmente inesperada. Conforme a situação vai saindo do controle, Briddey percebe que nem sempre muita informação é o melhor, e que o amor — e a comunicação — são bem mais complicados do que ela esperava. “Um dos livros de ficção científica mais divertidos dos últimos anos.

A INCENDIARIA (Stephen King)
Sinopse: Uma criança com o poder mais extraordinário e incontrolável de todos os tempos. Um poder capaz de destruir o mundo. Após anos esgotados no Brasil, a incendiária volta às livrarias como parte da Biblioteca Stephen King, coleção de clássicos do mestre do terror em edição especial com capa dura e conteúdo extra. No livro, Andy e Vicky eram apenas universitários precisando de uma grana extra quando se voluntariaram para um experimento científico comandado por uma organização governamental clandestina conhecida como “a Oficina”. As consequências foram o surgimento de estranhos poderes psíquicos — que tomaram efeitos ainda mais perigosos quando os dois se apaixonaram e tiveram uma filha. Desde pequena, Charlie demonstra ter herdado um poder absoluto e incontrolável. Piro cinética, a garota é capaz de criar fogo com a mente. Agora o governo está à caça da garotinha, tentando capturá-la e utilizar seu poder como arma militar. Impotentes e cada vez mais acuados, pai e filha percorrem o país em uma fuga desesperada, e percebem que o poder de Charlie pode ser sua única chance de escapar.


ELECTRIC DREAMS (Philip K. Dick)
Sinopse:Philip K. Dick foi um dos maiores nomes da ficção científica em todo o mundo e encabeça, também, a lista dos autores do gênero mais roteirizados em Hollywood. Os dez contos de sua autoria reunidos nesta edição foram adaptados para a série televisiva britânica Electric Dreams, uma antologia de histórias futurísticas que, ao mesmo tempo, ilustram a visão profética de Dick e celebram o eterno apelo midiático de sua obra. Seguindo o que a literatura de Dick tem de melhor, os contos de Sonhos elétricos apresentam cenários familiares, mas ao mesmo tempo estranhamente distorcidos, e têm o poder de questionar a realidade e tirar o leitor de sua zona de conforto.

ARTEMIS (Andy Weir)
Sinopse:Jazz Bashara é uma criminal.Bem, mais ou menos. A vida em Artemis, a primeira e única cidade na Lua, é difícil se você não é um turista rico ou um bilionário excêntrico. Então tráfico de contrabando algumas vezes nem conta, não é? Não quando você tem dívidas para pagar e seu emprego mal banca o aluguel.Tudo muda quando Jazz vê a oportunidade de cometer o crime perfeito, com uma recompensa lucrativa demais para deixar passar, mas fazer o impossível é apenas o começo dos problemas de Jazz quando ela aprende que entrou em uma conspiração pelo controle de Artemis e agora sua única chance é apostar em um negócio mais arriscado do que o primeiro proposto.

Leia mais!

Share Tweet Pin It +1

6 Comments